Aki Kumar: “O blues está se tornando global”

Aki Kumar por Andy Cotton (www.akikumar.com)

 

O futuro do blues é a fusão. A ideia é do indiano Aki Kumar, que saiu da terra natal para se apaixonar pela música americana ao se mudar para a costa oeste dos Estados Unidos. Influenciado pelo blues de Chicago, Kumar aprendeu a tocar harmônica e se profissionalizou ouvindo nomes como James Cotton e Little Walter. Atualmente, porém, mistura o blues com música indiana. É o que ele vai mostrar no palco do Bar Valentino na quarta noite do Festival Blues de Londrina, neste sábado (5/8), às 21h.

 

A mistura, portanto, aponta para o futuro. “O blues está se tornando global, há muito interesse de diferentes culturas e países”, revela Aki Kumar. Para ele, a mistura é benéfica, desde que seja verdadeira. No Brasil, Kumar foi recebido pelo gaitista Marcelo Naves, que irá integrar a banda que acompanha o indiano no show em Londrina.

 

 

As outras atrações da noite também enxergam o blues com horizontes mais amplos. É o caso do grupo londrinense Acústico Blues Trio, que envereda pelo rock, soul e jazz sem renegar as raízes. O que costura o repertório variado são as guitarras afiadas, abertas para o improviso, e os vocais suingados – além dos convidados, sempre prontos para acrescentar um tempero próprio. A formação vai contar com Kiko Jozzolino (guitarra), Elieser Botelho JR (guitarra), Vinícius Zanin (voz), Elaine Fiora (voz), Wesley Florêncio (sax), Gabriel Zara (baixo) e Elthon Dias (bateria). O Acústico tem uma especialidade: mostrar que o blues pode sim ser alegre e festivo, promessa que cumpre no palco.

 

 

A diversidade também dá o tom do repertório de Kynnie Williams, cantora e compositora carioca que, aos 23 anos de idade, vem conquistando fãs graças a um estilo todo próprio desenvolvido pelo aprendizado autodidata. Destaque do The Voice Brasil em 2014, Kynnie Williams participou recentemente do Fest Jazz de New Orleans (EUA), entre vários outros shows. Kynnie vai se apresentar ao lado do Acústico Blues Trio para repaginar sucessos como Hit the road Jack (Ray Charles), o clássico Rock me baby e uma surpresa do repertório de Amy Winehouse.

 

 

 

 

 

É a sua primeira vez no Brasil? Como está sendo?

AKI KUMAR – Indo muito bem, (o gaitista) Marcelo Naves está fazendo um ótimo trabalho cuidando de mim e promovendo os shows. É uma grande experiência, com um ótimo povo e uma ótima comida.

 

Como será o show em Londrina?

Vamos fazer uma apresentação honesta e verdadeira da minha música, que é uma parte de blues e outra de música indiana.

 

Quando você decidiu tocar blues? Quando você começou a aprender a harmônica?

Eu tinha por volta de 24 anos quando comecei a aprender harmônica seriamente, e estou hoje com 37 hoje. São 13 anos, e esta tem sido minha verdadeira jornada pelos Estados Unidos.

 

 

Quais as suas grandes influências do blues?

Todos os grandes gaitistas de Chicago: Little Walter, Big Walter, Junior Wells, James Cotton.

 

Nós vemos o blues crescendo em diferentes países. Por que isso vem ocorrendo?

Porque o blues, embora tenha vindo dos Estados Unidos, e embora seja uma música dos escravos e da cultura afro-americana, é um presente que eles deram para o mundo, para a música popular, para a música folk e, eventualmente, para a música universal. Então não me surpreendo que povos de diferentes lugares do mundo tenha assumido essa música, que é uma bela forma de se expressar.

 

 

Qual o futuro do blues?

Eu acho que o que você mencionou (na pergunta anterior) é o futuro. O blues está se tornando global, há muito interesse nele em diferentes culturas e países. Em um sentido mais estrito, eu espero que o meu projeto, onde eu toco blues e música indiana, contribua para essa fusão de diferentes culturas. Porque para uma música crescer realmente e ir para a frente, ela tem que interagir e se transformar um pouco. Eu acho que o blues caminha para isso.

 

SERVIÇO

7º Festival Blues de Londrina – Show com Acústico Blues Trio (Londrina), Kynnie Williams (Rio de Janeiro) e Aki Kumar (Índia). Sábado, dia 5 de agosto, pontualmente às 21h no Bar Valentino (R. Pref. Faria Lima, 486). Os ingressos estão à venda nas lojas 5àSec ou pelo Disk Blues: (43) 3357-1392. Mais informações: www.festivalbluesdelondrina.com.br.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *