Sabores e dissabores de Anelis Assumpção

Caroline Bittencourt/Divulgação

 

A razão resolveu dar uma relaxada no boteco da esquina, abrindo espaço, entre uma gelada e outra, para que os sentidos triunfassem no disco novo de Anelis Assumpção, Taurina, lançado pela Natura Musical.

Há várias referências aos sentidos. Anelis cria uma festa para os olhos, ouvidos, nariz e boca, despertando desejos.

Mas, ao mesmo tempo, tece duras constatações sobre os relacionamentos.

Fartos e imersos em sensualidade, os sentimentos são compartilhados sem piedade, temperados com apelos gastronômicos de um repertório rico e popular, transformando a cozinha em uma espécie de centro criativo.

 

 

O clima esquenta em frente ao fogão, os instintos atiçam o amor, o sexo mascara algumas verdades. Se há riqueza de temperos, ingredientes e condimentos, o paralelo musical segue na mesma sintonia: um universo interior se revela constituído de complexidades humanas.

 

A diversidade de ritmos e gêneros, processada dentro de uma linguagem próxima à estabelecida por Itamar Assumpção, pai de Anelis, se espalha por arranjos em registros médios, sem agudos estridentes, oferecendo acomodações para que a voz se instale confortavelmente em tom de conversa e aconchego, revelando tristezas e malícias em melodias circulares, nas rédeas do ritmo.

 

 

Não há malabarismos ou clichês vocais do pop, tão exasperados nas rádios quanto nos reality-shows musicais.

Com um pé na vanguarda e outro na tradição, Anelis canta alegrias e tristezas suave e sensualmente, valorizando silêncios estratégicos e a cadência que sempre, mesmo disfarçada, dita sua importância. 

Vale, aqui, mais malemolência do que pressa, mais balanço do que virtuosismo.

 

 

Referendadas pela voz, as palavras – talvez as verdadeiras estrelas do disco – saltam sonoras de dentro da cozinha, do pomar, da feira, da horta: azeite, pimenta, limão, chaleira, pastel de vento… Pululam coloridas para temperar histórias cotidianas repletas de ironias e ilusões.

Se há espaço para pequenas doçuras, também o amargo tem presença garantida.

Em Gosto de Serena, Anelis faz homenagem à irmã, Serena Assumpção, falecida em março de 2016: “Gosto do que sou quando estou com você”.

Serena, aliás, é parceira em Chá de Jasmim, enquanto Russo Passapusso aparecem em Caroço I e II e Amor de Vidro (com Anelis e Saulo Duarte). Liniker canta em Paint my dreams, enquanto Thalma de Freitas aparece em Escalafobética, parceria de Anelis com o mestre João Donato.  Mortal à toa, composta com Ava Rocha, tem participação de Liniker e Tulipa Ruiz.

 

 

Há quem associe o signo de touro – não sou nenhum especialista em horóscopo – a personalidades fortes e determinadas, equilibrando-se com uma sensibilidade latente.

Taurina tem um caráter musical determinante e, ao mesmo tempo, delicado, atento às sutilezas. 

 

Suas canções formam um mix de questões básicas da existência, derramando visceralidade em temas como vida, morte, amor e perda, equilibrando o prosaico e efêmero com o profundo e perpétuo.

 

Pode-se, então, ouvir Taurina com a cabeça – eis a razão de volta à cena, será que ela havia realmente saído? -, atento às palavras e reflexões levantadas.

Mas também roda tranquilamente no som do carro, pedindo para ser cantarolado entre um sinal e outro.

***

No fim das contas, Taurina aponta para os sentidos e mexe com a cabeça, mas é regido pelo coração.

 

 

ANELIS ASSUMPÇÃO – TAURINA (2018)

Direção/Directed by: Anelis Assumpção

Produzido por/Produced by Beto Villares

Co-produzido por/Co-Produced by Zé Nigro

Gravado por/Recorded by Rodrigo “Funai” Costa no Red Bull Studios, por Beto Villares no Estúdio Ambulante e por Zé Nigro no Estúdio Navegas Cantareira

Mixado por/Mixed by Gustavo Lenza no Estúdio La Nave

Masterizado por/Mastered by Felipe Tichauer (Red Traxxx Mastering)

Projeto Gráfico/Design: Isadora Gallas e Julia Franco Braga

Direção de arte e figurinos/Art Direction and Wardrobe: Isadora Gallas

Fotos e vídeos/Photos and Videos: Julia Franco Braga

Desenho da Capa (tela)/Cover Painting (Canvas): Camile Sproesser

Produção Executiva/Executive Producer: Flavio de Abreu – Scubidu Music

Assessoria de Comunicação / Redes Sociais: Tais Reis

Assessoria de Imprensa: Bebel Prates e Francine Ramos

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *